30 de nov de 2011

Quais hormônios afetam a altura?


Todos sabem que há um hormônio no corpo humano que regula o crescimento, o hGH (hormônio do crescimento humano),  também chamado GH (hormônio do crescimento) ou somatotropina. A produção excessiva deste hormônio durante a infância leva uma pessoa a ser anormalmente alta, uma condição chamada gigantismo. Já uma produção reduzida do GH na infância produz baixa estatura, uma condição denominada nanismo.

 
Figura: Comparação entre um casal de estatura normal e a filha adolescente com gigantismo.

Figura: Comparação entre pessoas com crescimento normal e reduzido (nanismo)

Distúrbios no hipotálamo é a principal causa de crescimento anormal

O GH é um hormônio produzido em uma pequena glândula chamada hipófise (pituitária), mais precisamente na hipófise anterior. Mas sua produção é regulada por outra glândula, o hipotálamo, uma parte do sistema nervoso com função neuroendócrina. O hipotálamo possui células específicas que produzem GHRH (hormônio regulador do hormônio do crescimento) que por uma rede vascular que conecta a duas glândulas (sistema porta hipofisiário) chega ao hipotálamo e estimula a produção de GH. Um tumor no hipotálamo pode provocar o aumento do número de células que produzem o GHRH, causando uma produção excessiva do GH na hipófise anterior. A retirada do tumor durante infância evita o desenvolvimento do gigantismo. O nanismo também pode ter origem em tumores entre o hipotálamo e a hipófise anterior, que ao crescerem, afetam a vascularização entre as duas glândulas (hipotálamo e hipófise anterior), impedindo a chegada do GHRH.

O GH tem ação indireta no crescimento

O GH é essencial a promoção do crescimento em altura do corpo, mas sua ação é indireta. O GH age em vários tecidos alvos, como ossos, músculos, cartilagens e no fígado, estimulando a produção de fatores de crescimento, os IGFs (fatores de crescimento semelhante à insulina). São os IGFs os indutores diretos do crescimento, pois eles estimulam a divisão celular, especialmente nos discos de crescimento dos ossos.
 
Figura: Relação entre GHRG produzido pelo hipotálamo, GH produzido pela hipófise anterior e IGFS produzidos por vários tecidos, em especial o fígado, promovendo o crescimento de ossos  e músculos.

Hormônios sexuais interferem no crescimento

Além do GHRH, GH e IGFs, os hormônios sexuais são determinantes no crescimento final em altura de uma pessoa. Em homens, durante a puberdade o aumento na produção de testosterona a principio induz a uma aceleração do crescimento, chamado estirão da puberdade, mas por outro lado limitará o crescimento, pois induz a calcificação do disco de crescimento dos ossos. Em mulheres durante a puberdade o aumento da produção de estrógeno tem o mesmo papel da testosterona no homem. Como mulheres entram na puberdade mais cedo que os homens a interrupção do crescimento ocorre antes, por volta dos 15 anos. Jovens com produção reduzida de hormônios sexuais crescem mais que o normal. Discos de crescimento dos ossos são faixas de cartilagem hialina presente na extremidade dos ossos longos. Enquanto estes discos não forem calcificados os ossos crescem em comprimento.

Figura: Radiografia mostrado a epífise óssea de um jovem no começo da puberdade (A) e no final da puberdade (B) Note que em (A) a presença de um disco de crescimento (disco de cartilagem) na extremidade do osso (epífise óssea). 

Os hormônios da tireóide interferem no crescimento

Outros hormônios que interferem no crescimento são os hormônios da tireóide (T3 e T4) que são estimuladores do metabolismo celular. Produção deficiente de T3 e T4 durante a infância produz crescimento reduzido.


Para o vestibular não esqueça!

  • O GH age indiretamente no crescimento induzindo a produção de IGFs, os verdadeiros indutores do crescimento. 
  • Distúrbios no hipotálamo durante a infância é a principal causa de crescimentos anormais. 
  • O aumento da produção de hormônios sexuais, estrógeno e testosterona, limitam o crescimento no final da puberdade. 
  • Os hormônios da tireóide, T3 e T4 também interferem no crescimento.

Nenhum comentário:

Postar um comentário